sexta-feira, 10 de julho de 2009

Geografia dos Amores

AVerdade foi à procura dos lugares, no Grande Maputo, onde os residentes da capital do país dão facadas no seu relacionamento conjugal e não só. O fenómeno, moral e religiosamente condenado, estáem alta e a encher os bolsos dos proprietários dos “escondidinhos” –hotéis, pensões, esplanadas, barracas e até casas familiares – que exploram esses prazeres alheios no Grande Maputo…


Acomodada em sofás, uma dúzia de casais ilegais espera pela oportunidade de entrar nos cerca de 20 quartos que, às 18 horas de uma terça-feira, estavam superlotados desde às 10 horas que cá estamos. Há casais de todas as idades e classes sociais. No meio está um par dequinquagenários envolto em beijos e carícias. À esquerda uma ‘quatorzinha’ meio envergonhada na companhia de um homem barrigudo ecom idade para ser seu avô, dono de um BMW e barba farta. Também aguardam, pacientemente, pela sua vez. À direita estão dois, quatro,talvez mais pares de jovens que passam o tempo com mais um duplo de uísque ou de amarula.
Ninguém olha para ninguém. 11, 13, 16, 20, 22 Horas: pares, exaustos,vão saindo, cúmplices, um a um ou abraçados e entram, cabisbaixos, nas viaturas. Há aventureiros que vão como vieram: pelas suas próprias pernas. Aqui o jogo é este: em função da hora de chegada, os ‘amantes’ são convidados a ocupar os quartos por uma, duas, três horas ou mais, consoante o bolso e tempo de cada um.


Inimigo íntimo
Dinheiro. Comida. Carro. Diversão. Liberdade. Extravagância. É o que esperam da vida essas pessoas que fornicam com ‘maridos’ e ‘esposas’ alheios em quartos de hotéis, motéis e pensões. Ou em casas familiares, esplanadas e barracas que aprovisionam quartos para tal fim.
Antes encarado como um prémio da relação amorosa, o prazer sexual há muito que passou a ser direito dos maputenses que se iniciam mais cedo, têm mais parceiros e se casam mais tarde.


Tó Sam, 35 anos, casado há 10 e frequentador assíduo desses locais,aceitou contar ao @Verdade os passos da sua infidelidade: “Comecei atrair a minha mulher ainda na fase de namoro, com colegas da escola ouvizinhas.” Apanhou o vício, daí que, mesmo depois de passarem a viverjuntos e terem um filho, ele continua a trair a sua cônjuge que,conformada, até já coloca preservativos nos bolsos do marido. “Não há como: de repente você recebe uma chamada, um “e-mail” ou um “sms” aconvidarem-te para uma conversa e, quando chegas ao local, abrem-te asportas de um carro que te leva para um hotel onde te pagam tudo…ah, então diga: como não cair na ratoeira assim?!!!”


O mapa erótico…
O século XXI, com o advento da internet e dos telemóveis, reduziu asdistâncias. É com base na internet e telefone celular que as pessoas agendam encontros eróticos. Só na cidade de Maputo, exemplos são aos milhares. Muitos funcionam escudados por detrás de restaurantes, pensões, esplanadas e barracas. Um dos mais procurados está em plena Avenida Eduardo Mondlane, defronte do “Covo”, onde os casais recebemchaves de quartos do andar superior. Preço: 200 meticais/hora. É um desafio à imaginação andar quinhentos metros de uma avenida de Maputo sem que se encontrem lugares idênticos.
Há na Sommerschield, na Polana-Cimento e “Caniço”. Na baixa da cidade há dezenas de pensões que exploram esses prazeres alheios para ganharem muito dinheiro. Idem no Alto-Maé, Malhangalene, Benfica, Catembe e Triunfo. Na Matola também.
Naquilo que se classifica como nova tendência, os aventureiros sexuais fogem da zona urbana para a periferia, uma tentativa de sedistanciarem do “faro” e do olho dos parceiros – legais – familiares, ou da sociedade. Quem descobriu a façanha e investiu em quintas disfarçadas em casas de pasto está a ganhar muito dinheiro. Lá, os preços variam em função da qualidade dos serviços prestados: quarto com ar condicionado, cama casal redonda, TV ‘multichoice’, água canalizada e quente oscila entre 300 e 500 meticais/hora. Geralmente, são locais concebidos com parques de estacionamento, bar e restaurante com churrascos onde, no caso de superlotação, servem de perfeitas salas de espera.


Perigoso...
Fornicar ilegalmente pode parecer bom mas também pode ser o começo dofim de um longo sonho que começa(ria) com aquele cenário clássico em que, com uma gravata apertada e um belo vestido branco com véu egrinalda, o padre abençoa a união e exige das partes envolvidas uma declaração pública, com testemunhas, segundo a qual se deve “serfiel, amar e respeitar, na alegria e na tristeza, na saúde e nadoença, seguindo amando e respeitando, até que a morte os separe”.Mas está difícil. O fácil, porém, é chegar a esses “escondidinhos” e “comer a fruta proibida”, tal como Adão e Eva o fizeram contra a vontade divina, não obstante ter-lhes advertido de que “ (…) tudocomereis, mas da árvore da vida não comereis”.
O perigoso – e curioso, infelizmente – é que essas pessoas nasceram e/ou cresceram diante da propagação do SIDA. Mas a doença não travou a multiplicidade de parceiros, como se imaginava. Como Tó Sam, muitosdos que praticam relações extra-conjugais raras vezes usam(correctamente) os preservativos. Elias Mubai, 40 anos de idade e umdos gerentes desses “escondidinhos” conta o que lhe atormenta há anos:“ Já acudi a casais que lutam ou saem dos quartos zangados por causado ‘usas-ou-não-usas preservativo!” Como ele, muitos dizem que ospreservativos permanecem longo tempo nas gavetas das cabeceiras porque não são usados. Isso faz-lhes pressupor que muitos casais devem estara manter relações sexuais ocasionais desprotegidos. E a contribuírempara o elevado índice de seroprevalência. “ Não sei porquê!”, remata onosso interlocutor.


Porque me trais, já não tens coração, amor?
Ninguém duvida de que a traição sexual acontece quando há algum tipode insatisfação, seja ela amorosa, física ou material. Como seres humanos, homens e mulheres são movidos pela busca incansável do prazere vão em sua busca.
Fora a questão material, a explicação que os académicos tentam encontrar é, como diz, no estudo que está a conduzir, Tânia, de 28anos, psicóloga e professora universitária: “Estamos mais livres, aprendemos o caminho do prazer e já não queremos sair da cama sem onosso orgasmo”. Para tal, basta “levarmos camisinhas na bolsa, tomarmos a iniciativa na hora da ‘paquera’ e trairmos quando estamos insatisfeitas. Por outras palavras: “ Vamos à luta sem medo!”
Para Tom, de que falamos anteriormente, trair é uma coisa naturalíssima no ser humano: “O desejo que não está ligado ao amor, isso acho que todo mundo já deve ter sentido na pele e a vontade de viver com emoção”. Estas duas coisas são indiscutivelmente humanas. Eé por isso que a traição ocorre. Os homens traem e as mulheres também.
É a liberdade sexual que cresce de forma avassaladora? A psicóloga eprofessora universitária refere que sim. E justifica: “Embalada nessa busca, que muitas vezes é incentivada pela pobreza – material, moral eespiritual – a modernidade que a sociedade conquistou contribui para a actual tendência de relações extra-conjugais”. Tânia explica que “isso deriva do facto de, mal veiculada, a mensagem sobre o SIDA ter sido,por consequência, mal apreendida”. É como se, enquanto se apela ao ‘NÃO TRANSE SEM CAMISINHA’, e a Bíblia diz “NÃO ADULTERARÁS”, asociedade entendesse justamente o contrário: “USE O PRESERVATIVO E FORNIQUE ”. Uma vez confrontados com o facto, religiosos como Dom Diniz Sengulane já disseram que “vivemos numa época em que já ninguém tem coração.”

Sinais de traição frequentes
Segundo a revista “Nossa Vida”, um destes sinais pode revelar traição. Contudo, recomenda para se ter sempre presente de que existem hipóteses de o seu cônjuge não a estar a trair e que a desconfiançaseja feita sempre de forma a não destruir a relação para o caso de as suas suspeitas serem infundadas.


Masculina: 8
- Não deixa que ninguém toque no seu temóvel ou computador;

- Chega a casa com um cheiro diferente;

- Nada mais o chateia;

- Começa a produzir-se mais;

- Começa a ser mais desconfiado;

- Começa a dar respostas rebuscadas demais;

- Gasta mais dinheiro e não é capaz de o justificar credivelmente;

- Já não está tão interessado no sexo.


Feminina: 6
- Passa mais horas fora de casa;

- Maior preocupação com a aparência;

- Pode não fazer sexo com o marido pois fica mais “fiel” ao amante;

- Aumento da conta do telefone;

- Não menciona o nome do amante mesmo com as amigas;

- Contacto frequente com o “colega” de trabalho.

Escrito por Anselmo Titos (recebido por email)

13 comentários:

Júlio Mutisse disse...

Ainda bem que sou santo e não dou facadas à Mondlane mais Mutisse que conheço.

Se eu fosse um pervertido. Até conjecturaria que a ideia desta matéria pertenceu a uma mulher... e abominaria o homem que revela segredos dos sítios onde esfaqueadores e esfaqueadoras escondem a sua perversão.

Nero Kalashnikov disse...

Alguém ainda duvida que começam a revelar-se os sinais do fim dos tempos? É o fim do Mundo. Armagedão. A corrupção e aperversão são a face visível do amor incondicional pelas coisas do mundo material.
Francis Fukuyama tem avisado que o fim da história dos homens está próximo. Este processo é irreversível, está escrito. O mesmo se passa com a oposição em Moçambique, caminha para a golgota qual touro ao matadouro.
É sintomático da caminhada para o fim da reunião dos homens em sociedade.Ainda vem aí a gripe A para dizimar-nos aos milhares… Caraças!

Milton Machel disse...

Hehehe, Nero, estas com medo pa! Fim do Mundo, Fim da Historia, Armagedao! Daqui a pouco vais cientifizar a coisa para o nivel de um Big Bang que vai reverter a ordem. Advogas um ataque ao capitalismo? Essa digressao obrigatoria (quero dizer tour de force) aos lugares dos prazeres, a desvendar os escondidinhos e as esquinas e tao so a mediatizacao de um viver dos tempos, secular...Mutisse, subversivo, sera que mesmo essa geografia e' para desvendar a perversao? Sera que ir aos moteis e outros lugares (mesmo que sob o pecado da traicao) e' manifestacao de perversao? Mutisse, Traicao e' perversao? Ou estas a dizer que esses lugares, como o Motel na Matola que promete, em plena estrada Maputo/Boane, muitas novelas da vida real, sao templos do hedonismo! Claro que compreendo defenderes o "espaco privado", quais locais de culto e cultivo da...traicao ou perversao, caro Mutisse? Mano, podes ser santo la em casa, mas nao subvertas a ordem...
Como bem diz o meu amigo, Amade Camal, hoje nao se pratica mais ou menos sexo do que noutros tempos, o que acontece e' que as industrias cultural, mediatica e do marketing e da publicidade andam a glorificar e logo banalizar o sexo...e com a hegemonia do grande inimigo de MARX, O CAPITAL, as relacoes tao so' se comercializam, e há uma florescente industria dos moteis, pensoes e lugarzinhos como o "MBIYANGWANI" (onde com o minimo que tiveres no bolso vais encontrar um sitio pra praticar sexo...proibido) que se quer instituir...NAO SEI SE E' INDUSTRIA DA TRAICAO EM MASSA, OU INDUSTRIA DA PERVERSAO, MAS E'UM SINAL DOS TEMPOS!

O' Nero, se te queres curar, vai la ver filmes de Albert Hitchcock: TENHAM MEDO, MUITO MEDO!!!

X!mb!t@nE disse...

Os ilustres vao continuar a levar as coisas de animo leve? A geografia dos amores é real! Arrepia-me que por conta de uns trocados alguns deixem outrém deitar-se em suas proprias camas so para lucrarem com esses locais da consumaçao sexual!!!

Ja não se transa nas escadas e nem nos terraços, é isso evoluçao, marketing ou la o que seja? Ja nao ha respeito por si proprio? Pelos outros ja esta claro que nao!!!

Julio Mutisse disse...

Ximbi, deixa-me perceber o seu ponto: "já não se transa nas escadas e nem nos terraços" dizes, como d'antes, acrescento eu, agora pergunto: o condenável aqui é o local ou é a prática sexual desregrada no geral? O condenável é as pessoas abandonarem as escadas (onde nada se paga) para passarem a pagar nos sítios escondidos e alguns recônditos da cidade?

Milton,

Eu jurei amor e fidelidade a minha esposa; tudo o que possa fazer nesses locais escondidos qualifico de perversão.

Nero,

É um facto, o que andamos a viver nos últimos tempos parece coincidir com a teoria bíblica do "fim dos tempos". O meu lado religioso se arrepia ao pensar nisso.

Milton Machel disse...

Mutisse, estas a revelar que em paradoxo ao teu caracter subversivo intelectualmente es religiosamente dogmatico e fundamentalista: CASADO, FIEL E DEFENSOR DE QUE PRATICAS SEXUAIS FORA DO ESPACO E TEMPO DO LAR SAO PERVERSAO!!!

Mutisse, ja vi que para alem do 13 de Outubro tens em comum com o mano Policas o tradicionalismo (ou CLASSICISMO) de valores? Es um "old fashioned", nao estas a ser tolerante, nao reconheces nem aceitas a liberdade sexual. Espero que nao tomem iniciativas de lei contra algumas liberdades fundamentais (a liberdade de escolha, neste caso de opcao de vida sexual), ja que a nossa "CASA DAS LEIS" produz aberracoes juridico-legais.


Ximbitane, então queres sexo A MODA ANTIGA (CHAMEM O PC MAPENGO!!!) so no romantismo das escadas e dos terracos? Faca um "upgrade" a tua CONSCIENCIA DE cidadania sexual! Nao creio que haja mal em se expandir essa geografia (DO SEXO OU DOS AMORES? PRATICA-SE SEXO OU FAZ-SE AMOR NESSES ESCONDIDINHOS?)

MM

Julio Mutisse disse...

Milton,

Desisti de responder. Volto outra hora... não é falta de argumentos é um recuo estratégico.

Milton, já pensou quanto é que o país lucraria se todos fossem conservadores como eu? As pessoas, potencialmente, teriam mais poupanças, os índices de seroprevalência não seriam tão altos, o nível de vida tenderia a subir (fruto das poupanças e investimentos feitos) etc. Esqueceríamos a ideia de esperar o fundo de fomento a habitação para termos próprias casas etc.

Não achas Milton? Já imaginaste quanto dinheiro se deve gastar nesses sítios? Até acaba sendo mesmo preferível nas escadas, no carro, no terraço, no baldio ao lado etc.

X!mb!t@nE disse...

Falo e repito "ha evolucao na geografia dos amores". Qualquer outra interpretacao eh da responsabilidade de cada um

Júlio Mutisse disse...

Resposta cómoda nem Ximb. Hehehe ninguém gosta de "saias justas" não é?

Milton Machel disse...

Ahh, Mutisse, meu caro, afinal a culpa nem e' do capitalismo, a teu ver! Ate vês o lado economico da coisa!!! Mutisse, deixe prevalecer a diferenca meu carro. Viva a Liberdade, que seja sexual...o que nao deve a meu ver subverter, corromper ou perverter a ordem, numa onda geral de libertinagem. Mas, se e' assim que parte da sociedade vive, sera licito deixar essas praticas no clandestino ou reconhece-las e evidenciar esta expansao da geografia dos amores, como a Ximbitane bem diz que esta a evoluir...ou nao e' melhor que os libertinos, hedonistas e pervertidos - como tu e o Nkutumula (por sinal dois advogados/juristas) chamam - paguem a factura ou o imposto de "pratica sexual excessiva". Ja agora, ja que falas em questoes economicas, porque nao (ao inves de castrar cristiana e moralmente os desejos de prazeres dos homens e mulheres) COBRAR-SE UM IMPOSTO DE SEXO A essas casas que se dedicam a oferecer o "local do crime" para usufruto dos amantes/parceiros. AI SIM, MAIS DINHEIRO REAL O ESTADO FARIA, OU ATE MECANISMOS DE CONTROLO POR AI SE INSTITUIRIAM...COMO LIMITANTE NÃO-CENSORIA DESSAS PRATICAS (DIZEM VOS) PERVERSAS.

Gostaria, a proposito, de chamar aqui o Egidio, que esteve recentemente em Haia, se porventura passou por Amsterdao, do que acha do valor da "RED LIGHT DISTRICT" segundo o contexto cultural proprio da Holanda (onde ha bares ate para se fumar cannabis). Nao sugiro, de forma alguma, que se elevem ou glorifiquem as nossas "RUAS DA VERGONHA" (porque a vergonha na esta nas ruas, esta no nosso corpo...de delito), mas que se afira do seu valor social, no turbilhao sociologico que somos. E uma reflexao sobre o "RED LIGHT DISTRICT" ajudar-nos-ia, se nao quisermos (ou tivermos coragem de) faze-lo sobre a RUa Araujo/Rua de Bagamoyo.

Ximbi, perdoa-me se te entendi mal, apenas entendi que preferias o romantismo (PALAVRA MINHA) das escadas e dos terracos...reconhecendo porem que afirmas e bem em como ha evolucao da geografia...dos amores!?

O Que e' o amor!? Prazer (pervertido, corrompido) e' amor?

Espero nao ser tomado por ADVOGADO DO DIABO - EMBORA ADMIRE AL PACINO! -, meus caros amigos e advogados da moral.

MM

Milton Machel disse...

Mutisse, meu caro, duas chamadas de atencao:

1. Cuidado te tornares absolutista, tipo "LE VIRTUE C'EST MOI", e que se todos fossemos assim o mundo seria melhor. Tuas palavras: " Milton, já pensou quanto é que o país lucraria se todos fossem conservadores como eu? As pessoas, potencialmente, teriam mais poupanças, os índices de seroprevalência não seriam tão altos, o nível de vida tenderia a subir (fruto das poupanças e investimentos feitos) etc. Esqueceríamos a ideia de esperar o fundo de fomento a habitação para termos próprias casas etc." (fim de citacao).

Ate te admiro como BOM EXEMPLO (PORQUE CREIO QUE A VERDADEIRA CIDADANIA RESPONSAVEL PASSA POR EMITIR BONS EXEMPLOS, PARA QUE ESTES SEJAM SEGUIDOS), mas creio que deves estar aberto a diferenca, ser relativista (respeito se nao o quiseres ser, e' teu direito, e tenho de ser tolerante para com a tua intolerancia a essa libertinagem...pois intolerancia contra intolerancia e' a origem das identidades assassinas - POR FAVOR, ARRANJEM ESTE LIVRO DO AMIN MAALOUF PARA O BAYANO, ELE ESTA DESESPERADO!!!).


2. Cuidado comecares a fazer coro da famosissima cancao do ZIQO (XiTILO XA BOBI): pode no mato, pode no carro, pode etc. Volto a ser o Citador: "Até acaba sendo mesmo preferível nas escadas, no carro, no terraço, no baldio ao lado etc. (FIM DE CITACAO)

Veja que o ZIQO agora canta PRECISO DE UMA BABY e (tal como tu "practice what you preach", fiel a tua Mondlane) aconselha a fidelidade e a so uma MULHER como vida boa, virtuosa, e nao muitas mulheres na boa vida ("LE GOOD LIFE" - prega a publicidade de um champagne frances famoso...

Eish, yowe!!!

MM

X!mb!t@nE disse...

Oh Mutisse, eu até gosto, mas essa é completamente desnecessaria. Condeno de todas as formas essa pratica. O que quis dizer é que, quando acontecia nas escadas, era muito mais discreto.

Hoje, pais e filhos, conhecidos de varios meios e até casais se cruzam nas salas de espera desses locais. Nao sera isso uma pouca vergonha?

Pessoalmente, nao vejo a hora de ir dar umas puladas nesses locais profanos, deve ser formidavel. Mas, que fique bem claro, pretendo la ir com alguém que habite o lado esquerdo do meu peito unica e exclusivamente para mudar de ambiente e apimentar os nossos gulosos apetites

X!mb!t@nE disse...

Milton, fazendo o solicitado upgrade, em parte esta questao esta respondida. Sou mais pela diversidade e até olho para alguns pontos da tal geografia com aguçado apetite.

Talvez seja num desses espaço que eu e a minha cara metade desfrutaremos do doce pecado da maça numa cama de agua ou redonda... sabe-se la o que mais?