quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Feminismo ou supremacia feminina?

Um homem com crenças de que é superior à mulher tem como estampa o chauvinismo, vulgarmente conhecido por machismo. Muitas vezes, quando a bola está do lado da mulher, a mesma crença é designada feminismo. Será esta concepção correcta?

Quando se usa o termo feminismo, como o reverso do machismo, a questão não é outra do que uma tentativa de satanizar a mulher com o intuito de a chamar tirana, déspota, dominadora ou megera. Na nossa sociedade, isto ocorre muito quando uma mulher demonstra ter capacidade de gerir por si só a sua vida ou quando conquista um “espaço público” que, a principio, parece exclusivo de homens.

Um exemplo concreto disso, era a conotação que a líder da LDH, Dra Alice Mabote, teve quando invadiu o tal “espaço público” e a sociedade, sobretudo a masculina, não percebia porque era ela frontal e destemida. E, ainda hoje, há homens que vêm nesta líder dos direitos humanos uma tirana. Logo, as feministas não olham só para si mesmas entanto que mulheres.

Assim, aos olhos do mundo, os projectos e as reivindicações feministas aparecem como uma tentativa de implantar uma supremacia feminina à custa de uma subordinação masculina. Por isso, todas a iniciativas femininas ou vozes mais incómodas são imediatamente rotuladas de feministas. Puro engano!

O que é então o feminismo? O oposto do machismo? Uma crença feminina de que a mulher é superior ao homem? Não! O feminismo é um movimento que luta pela igualdade das mulheres em relação aos homens, defendendo, por exemplo, uma educação idêntica de meninas e meninos.

Saiba mais vendo as nossas fontes:
Conceito de feminismo
Feminismo, um nome novo
Feminismo e direitos humanos das mulheres

8 comentários:

Jonathan McCharty disse...

Esta questao de femenismo e emancipacao da mulher, e' um debate que nos gostamos de ter. Quando a mulher fala em igualdade, acho que nao estamos apenas a falar das coisas boas, right? Mesmo salario, igualdade de oportunidades, etc. Estamos tambem a falar de mudar o pneu do carro, pegar o saco de carvao do carro para o 2ndo andar, trabalhar ate' altas horas, etc? E' essa a igualdade "abrangente" que esta' aqui em reivindicacao?

Qual a posicao defendida pela amiga Mitumwane e pelas fervorosas feministas mocambicanas?

Júlio Mutisse disse...

Jonathan,

Você me persegue e me antecede em muitas coisas que tenho andado a pensar ultimamente.

Os discursos "pro-igualitários" das mulheres são, de um modo geral, pró-benefícios... se calhar seja por isso que muitos homens ouvem essas coisas com algum desdém. É evidente que, em muitos casos, a compleição física do homem (quando comparada à da mulher)o permite carregar o saco de carvão para o 2ndo andar mas, os discursos igualitários que ouvimos não contemplam "igualdade" também nesse género de tarefas.

É só nos benefícios

Jonathan McCharty disse...

Hehe Julio,
Ha' logicas que podem ser comuns. Concordo tambem com os teus pontos de vistas, pena que nao estejas a blogar com muita regularidade, hehe. Esta coisa dos blogs e' como o "opio". ficamos dependentes, mas nem sempre temos grana pra comprar!

Vamos esperar para ver o que as nossas feministas teem pra nos dizer. Porque se o assunto se restringe apenas a beneficios, entao elas tem que se por a pau, nas suas reivindicacoes.
Abraco e bom weekend.

X!mb!t@nE disse...

Amigo Jonathan e Júlio, o feminismo de que falo é em todos os sentidos negativos e positivos. Right?

Quando usa o exemplo de carregar um saco de carvão ao 2o andar, decerto que olha para qualquer mulher que vive na cidade e que tem unhas de gel e extensoes capilares. Não é?

Tudo bem, nesse sentido o seu raciocinio está correcto mas com uma diferença: nesse caso as mulheres não querem ou tem quem o faça (guarda, empregado, o maridao que so bebe cerveja...)

Quem são as mulas de carga na periferia da cidade e nas zonas rurais locais de maior concentração populacional, sobretudo mulheres?

Costumo dizer que não sou feminista, justamente por se olhar apenas pelos aspectos positivos, e se o sou, sou moderada.

Pessoalmente, nesta batalha, pretendo pouca coisa, mas essencial para a minha saude mental. Se a 6a é dia do homem, reserve o sabado para mim. Cuide das crianças, da casa, do cão e deixe-me espairecer como você faz. É pedir muito?

AGRY disse...

Antes de tudo, gostaria de te alertar para a “provocação” implícita nos comentários anteriores. Do que li, e do que conheço, particularmente do Jonatham MacCarty, não me autoriza extrair outra ilação.
Quanto ao teu comentário, considero-o verdadeiramente demolidor! Não há machista que lhe resista. Faltou apenas sugerires que a igualdade plena, poderá obrigar a alterações biológicas
Estou a pensar no útero e no “transporte” do feto durante 9 longos meses. Que é que os machistas pensarão disto?
Por outro lado, o que é que as suas próprias mães e irmãs pensarão de quem as julga e estigmatiza de meros objectos sexuais?
Todos diferentes todos iguais?

X!mb!t@nE disse...

Obrigada Agry, creio que com o teu ponto de vista, Jonathan e Mutisse compreenderão esta mente dita feminista

Jonathan McCharty disse...

Eu acho que as sociedades evoluem e essa evolucao traz as suas consequencias! No nosso caso actual, acho que muitos homens nao darao o braco a torcer quanto a repartir a sexta-feira, hehe. Na verdade, a mulher tem os seus dias, tem os seus programas, como ir ao cafe com as amigas, ir passear os miudos, ir ao cabeleireiro, etc. Acho que essas sao as suas varias "sextas-feiras", sao seus momentos de socializacao. E "nenhum" homem (normal) as contesta.
Falando em consequencias da "evolucao" social, esta' mais do que provado que, nas sociedades onde a mulher se encontra muito bem emancipada, os homens "fogem" ao casamento ou quando se casam, ha' alta taxa de divorcios e, embora as mulheres se sintam "realizadas" noutras areas, o casamento passa a ser um problema bicudo.
A evolucao vai chegar a nos e avaliaremos se ainda estivermos por ca', as suas consequencias.
Pessoalmente, acho uma aberracao lutar-se pela igualdade homem-mulher, quando somos tao diferentes seja anatomicamente, mentalmente, etc! A natureza ja nos deu tarefas distintas.......(e' so' pra deitar algum azeite na fogueira)

X!mb!t@nE disse...

Jonathan, amigo, como você se engana! É mesma coisa ir almoçar com as amigas enquanto os petizes correm de um lado para o outro? Então porque as 6as ou aos domingos quando vao ao txiling ou ao futebol nao levam os miudos?

Jonathan, isto é mais profundo do que quer parecer. Não encare as coisas com tanta leveza, um dia o caldo entorna-se nas tuas calças!