sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Metrossexual: o homem de hoje



Refinado, informado, selectivo, visual impecável, gosto refinado, adepto de eventos fashion e de bares da moda, estes são alguns dos traços que caracterizam os metrossexuais. Os metrossexuais são também clientes assíduos de salões de beleza e ginásios, o que se pode notar pelo corpo trabalhado e bem cuidado assim como uma pele imaculadamente limpa, hidratada e sem pêlos.


Metrossexual é um termo já conhecido em sociedades evoluidas e é a junção das palavras metropolitano e heterossexual sendo portanto uma giria para o homem heterossexual urbano mas, frequentemente, o termo é associado à cultura gay, termo que estes recusam aceitar pois ser metrossexual não é sinonimo de homessexualidade.

O aparecimento recente deste termo está ligado à alteração de comportamento do sexo masculino no final do século passado. Tal como as mulheres, os homens começaram a folhear revistas masculinas para saberem o que está ou não na moda. Deixaram de cortar o cabelo no barbeiro e passaram a frequentar com mais assiduidade os institutos de beleza onde fazem de tudo um pouco.

Sim, os metrossexuais entram e saiem dos salões de cabelereiro como as mulheres o fazem. Cuidam das mãos, dos pés, da pele, ficam horas a fio às voltas nos centros comerciais, olhando, experimentando e comprando, enfim, tudo o que antes era considerado futilidade das mulheres faz agora parte do universo masculino e Moçambique não foge à regra.

Os metrossexuais são conhecidos por não viverem sem a sua marca predilecta de hidratante para a pele, apreciam um bom vinho, sonham com o último modelo de carro desportivo e gostam de comprar peças de design, ainda que em alguns casos não passem de puras imitações, que guardam religiosamente em arrumários especificos para cada item: perfumes, pulseiras, relógios, roupa interior, sapatos, fatos, traje casual, etc.

Ao contrário do que se possa pensar, os metrossexuais são pessoas bem sucedidas profissionalmente, como os metrossexuais de renome internacional David Beckham ou Brad Pitt. Entre nós, há o exemplo de apresentadores de TV ou de programas de entretenimento, consultores, advogados, músicos, politicos, etc, muita malta jovem e não só. MC Roger, Bang, Edson Macuacua, Atanásio Marcos, são alguns dos casos notáveis de metrossexuais nacionais.

Exigente e impulsivo, o metrossexual preocupa-se excessivamente com a sua aparência, o que sugere a estampa de narcisista, gastando para tal grande parte do seu tempo e dinheiro (em cosméticos, acessórios e roupas de marca) e, a oferta para este tipo de consumidor cresce a olhos vistos, sobretudo na grande capital Maputo.

Pode-se notar que actualmente há muitos pontos de venda de artigos e acessórios para homem sendo que marcas internacionais e altos preços são a nota dominante. Alias, o cor-de-rosa, verde florescente, laranja, vermelho, roxo, lilás, entre outras cores femininas foram levadas aos guarda-fatos masculinos pelos metrossexuais.

Saiba mais:

Narcisismo

30 comentários:

Nyabetse, Tatinguwaku disse...

Olás!
Thansk pelo artigo.
Já havia lido sobre o metrossexualismo, até porque um amigo muito próximo se identifica com este grupo, embora ele não tenha tracos de narcisismo. Eu acho que é tão bom que na sociedade haja espaco para todos (desde que não facam mal a ninguém), porque cada pessoa é, na verdade um mundo.

X!mb!t@nE disse...

Nyabetse, primeiro agradecer pela visita ao nosso espaço.

Cara, longe de mim a ideia de fazer pensar que os metrossexuais sejam narcicistas. A referencia é apenas para termos parametros de comparação!

Egídio Vaz-Historiador disse...

Faço referência ao seu artigo no meu blog.
Por não entender muito bem de vestuário (visto apenas para tapar a "vergonha"), não posso comentar.
Abraços e bom fim-de-semana.
E.

X!mb!t@nE disse...

Sera Egidio ou esta apenas a ser modesto?

Anónimo disse...

Pois é...eu sou daqueles que fervosamente sempre me recusei a vestir essas cores 'feminizadas' até que um dia recebi de presente da minha esposa uma camisa cor de rosa supostamente porque está na moda!No principio recusei-me a vesti-la mas hoje nao mais, enfim diz se a cultura é dinamica talvez encontre nesta maxima a razao do meu ser "outro" igual(?) a mim mesmo que sou hoje.Abracos A.Miambo

Yndongah disse...

Caro A. Miambo,

Muito obrigado pela visita.

Acredito que a semelhaça do que aconteceu consigo muitos outros homens passa(ra)m pela mesma situação. É que nós crescemos a saber que existiam cores só para homem e outras só para mulher, e naturalmente que quem vestisse cor de mulher tinha a sua virilidade ameaçada.
Ultimamente, essa rigidez em relação as cores(genéro) está se diluindo podendo-se encontrar “homens de verdade”usando camisas e gravatas cor de rosa.
E veja que esta tendência atingiu outras cores, antigamente o preto era só usado para como luto, mas hoje o preto é chique!

Bom fim de semana e volte sempre.

poesia disse...

Yndohgah
Interessante, eu adoro vestir de preto desde a adolescência. Terá a ver com o facto de ser um fervoroso adepto da Académica?
Bem, quanto ao resto, penso que o debate deste tema está sendo bem mais pacífico do que o
que aconteceu com o anterior! Os níveis de tolerância e de abertura confrontados com argumentos esgrimidos na postagem precedente , parece-me significativo.
Será que estamos na presença duma espécie de “campanha pela sobrevivência da espécie” , ou se preferir, salvar a honra do convento?
Poderei , eventualmente, regressar a esta caixinha de comentários.

Júlio Mutisse disse...

yindongah e Miambo,

O Artigo é assustador. Sou quase como o Egídio embora goste de estar e o trabalho exige aprumo mas hey, hanwina n é para tanto...

Resisiti a camisas rosas por resisitir a mudança na predominância do azul e do cinza. Também achava essas cores demasiado afemininadas.

Mas acho que estou a superar. Mas descansem meninas, não vamos disputar LUGAR no salão hehehehe, nem vamos fazer filas intermináveis TODOS OS DIAS no supermercado (já a vez que sou levado para lá a amiga da Yndongah tem que me apontar uma pistola - prefiro outros divertimentos)

Anónimo disse...

Yndongah, tens razao a rigidez na escolha das cores em parte fruto do aprendizado desde a infancia está/parece que está a perder terreno, todavia o seu comeentario a semalhanca do texto mae deste debate levanta outras interrogacoes que acredito seria bom seguirmos, por exemplo dizes que o preto é chique!o que é chique?o que é moda?quem define e com que critérios o 'chique' e a moda enfim acredito que aqui (pode) residir, em parte, a suposta resistencia as 'mudancas'.Mutisse devo concordar consigo tb prefiro outros divertimentos...
Bom fim de semana
Abracos, A.Miambo

Bayano Valy disse...

caras amigas,
hehehe. noto que lêem os nossos comentários e reagem à elas. acho que na postagem anterior eu teria mencionado esta questão de ser de alguns homens pós-modernos.
agora, não concordo com a vossa lista dos nossos metrossexuais. por exemplo, não acho o "porta-voz" um metrossexual. não me pareça um homem "connoisseur" da moda ou de muito apegado à sua aparência. eu que ando em quase todos os fashion shows não o tenho visto lá. vejo o rogério, mas o "porta-voz" e o da stv nem andam ai. os sítios onde vou (bar e bar, havana, casino, lounge, sixth level) estão cheios de metrossexuais, mas nunca vi esses dois fulanos. as vezes podemo-nos iludir pela capa do livro, mas é nas interiores que vimos se é o que diz ser - penso que para se ser metro é necessário que não seja apenas visto na vestimenta, mas também nas atitudes, no gosto pela boa vida, no patrocínio a tal haute culture. ter carro já não é suficiente. é como se costuma dizer: pode se tirar um elefante da selva, mas nunca a selva do elefante.

X!mb!t@nE disse...

Interessante o ponto de vista do amigo Bayano onde não concorda que o porta-voz seja um metro, aceito.

No entanto, apesar de ter desenrolado todo o rol de argumentos, eu que nao sou habituée de nenhum dos locais citados, acho-o metro do ponto de vista visual, da forma como se apresentam. Agora se é gato por lebre, não cabe a mim julgar!

Apesar de haver determinados aspectos que caracterizam os metro, acredito que por cá nem todos seguem o termo à letra com, por exemplo, idas aos desfiles "d'haute couture"

X!mb!t@nE disse...

Céus, Muthisse e Miambo, porque levam tudo ao pé da letra? Conforme podem ver, o metro preocupa-se com todos os detalhes relativos a sua pessoa: cabelo, sobrancelha, pele, unhas, torso, etc.

Para manter todos os detalhes em ordem há que ir aos locais apropriados: salao de beleza, manicure, esteticista (acredito pouco que os nossos marquem presença nesses locais todos).

Outro detalhe sao as compras! Caros, compras para o guarda-fatos, para o carro, etc, nada de ida ao supermercado, vandowe!

Yndongah disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Yndongah disse...

O amigo Miambo está a “assar a minha batata!” .Bom, concordo haver uma confusão entre os conceitos de chique e moda, muitas vezes acabamos misturando-os.Em estatística, moda é o valor com maior ferquência, sendo assim a moda seria o que mais se veste, entretanto, sabemos nem sempre é assim, daí que prefiro definir a moda como sendo algo que influencia a mudança na nossa forma de vestir, durante um certo período. Por exemplo a forma como os nossos avôs se vestiam não é a mesma que a dos nossos pais, nem a mesma que nossa, eu entendo essas mudanças ao longo do tempo como sendo moda. Já a “chiquesa” mais do que a aparência é tem a ver com o comportamento, a maneira de estar, é ter postura, saber se comportar nas mais diversas esferas sociais, não precisa estar por cima da moda para ser chique.

Anónimo disse...

Hewena Muiambu, wahidanissa... cor de rosa meu filho... Pela mwina mutaza muyambala ni masaia, swithlawana, mitlhela milemetela maxtencao ka mississe ni katinwala... se gostam forca. Cultura e sempre a moda que esta disponivel e e oferecida, o que mudou foi a multiplicacao das fontes onde nos inspiramos para a moda mas, como sempre haverao sempre aqueles que nao alinharao na moda. Tem mulheres que nao gostam nem usam essas cores que dizem ser femininas, mesmo sendo chiques e andam na moda e tem homem que continua a optar por cores que nao rosa, beije, fuscsia e aquelas outras cores que sempre que a minha parceira fala delas eu digo eh... pensei que fosse comida (goiaba,alface, litchie).

Reflectindo disse...

O metrossexualismo é mesmo moderno que as vezes leva a confundir-se com o homessexualismo.
Finalmente, não me considero metrossexual porque não tenho as caracteristíscas mencionadas, embora não me desleixe.

Chacate Joaquim disse...

FELIZMENTE DESTA ESCAPO! hehehehe

Mas acredito que haja, mas costaria de comentar o Bayano ao discordar alegadamente porque não frequenta certos locais que acha serem de referência para este grupo.


Eu acho que a Ximbita tem razão.porque há esta atitude em todos os níveis sociais e o mais grave é a dificuldade na definição de prioridades! conheço alguns que vestem-se do jeito! carro avaliado em 35 mil Dólares! mas vive numa dependência alugada!...

abraços

X!mb!t@nE disse...

O mais importante, Mestre, é realmente estar limpo e apresentável. O resto são futilidades e consumismo do qual as nossas sociedades se alimentam hoje em dia

X!mb!t@nE disse...

Chacate, realmente há muita disparidade entre o que fazemos parecer e o que é! Muitos há que vivem como diz no seu comentário e depois nos espantamos quando vemo-los passear de havaianas/chinelos vulgo pipocas

Anónimo disse...

Hewena Muiambu, wahidanissa... cor de rosa meu filho... Pela mwina mutaza muyambala ni masaia, swithlawana, mitlhela milemetela maxtencao ka mississe ni katinwala...

Caro anonimo o teu senso de humor me parece apurado, mas deixa me dizer- te que nao ha razao para tamanha desconfia e indignacao, tudo ainda está sob controle- 'nao aviso de mau tempo'-, nao obstante, ter cedido no rosa!usar mechas/estensoes?só se for peruca porque há mais de 10 anos que ando de 'escovinha/picante' faca sol, faca chuva - usando o slogan eleitoralista.
Abracos, A.Miambo

Yndongah disse...

Amigo Miambo, gostei dessa da “escovinha/picante”, já agora o que será? É que eu só conheço a escovinha.

Anónimo disse...

Yndongah, olha é escovinha de corte e nao de agrados para troca de favores é bom que se diga, sei que compreendeste, mas geralmente quando vou cortar o cabelo o homem la que trata disso pergunta queres escovinha?sim, mas nao muito grossa.Hah, entao tem que ser picante...entao ficou assim escovinha picante, pronto!
A.Miambo

Yndongah disse...

Ohh ok obrigado.

Vou usar esse termo numas das minhas próximas postagens, espero que não me processem por violacao aos direitos de autor.

Abraço

Anónimo disse...

Esta bem fico a espera do teor dessa postagem.Direitos de autor nao te preocupes na vida recriamos sempre e até descobirmos o 'original' é muito caminho por precorrer... sinta-se a vontade.
Abracos, A.Miambo

Anónimo disse...

Olá,

Tema interessante e só me resta felecitar o Dr. Serra por o ter introduzido no seu blog.

O que está a acontecer é que o género está a decompôr-se, em sub-géneros e, consequentemente, a tradicional descrição de 100% homem ou 100% mulher está a ficar cada vez mais reduzida.

Aspectos que antes pertenciam somente ao homem ou à mulher transitam de um lado para o outro e/ou até criam novas identidades(de género).

Por defeito, as pessoas costumam associar a identidade do género à orientação sexual. No entanto, embora em muitos casos exista uma ligação, em outros casos isso não acontece.

Por outras palavras, mesmo na nossa sociedade em que o fenómeno está a começar a emergir, podemos reconhecer metrossexuais que são heterossexuais porque se relacionam com parceiros de sexo oposto e metrossexuais que, por relacionarem-se com parceiros do mesmo sexo, são homossexuais.

Resumindo, a forma binária (ou boi ou vaca) de ver a identidade do género está a ser ultrapassada por novas criações de papeis sociais, uma vezes dependentes outras vezes independentes da orientação sexual.

Abraços coloridos

Jekyl

Anónimo disse...

Desculpe, pensei que ainda estivesse no blog do Dr. Serra. Peço que rectifiquem a postagem acima.

Jekyl

X!mb!t@nE disse...

Caro/a Jekyl, comentario interessante o seu mas posto que "se enganou" no blog, abstenho-me de o responder.

Quanto a medidas a tomar, so voce o pode fazer e, se quiser, pode o eliminar, a prerrogativa é individual!

Anónimo disse...

Olá Ximbitane,

Acho que fui mal entendido. A ideia era mesmo de fazer o comentário neste blog (vasikate va Moçambique) mas erradamente citei o Dr. Serra, porque coincidiu anteriormente estar a ler o blog dele.

Espero que me entenda e aceite as minhas desculpas. Este comentário é mesmo para estes blog. Agora eStamos claros?

Jekyl

X!mb!t@nE disse...

Cristalino como a agua, Jekyl... E seja benvindo!

PS: Porventura participa/ou nos foruns do Imensis?

Edgleyson disse...

Oi, esse artigo ficou um show! pois esclareceu para os leigos o que realmente é ser metrossexual, eu sou metrossexual com muito orgulho pois eu crio que as mulheres merecem bem mais do um simples cabelo cortado e uma barba bem feita.